Dentro do Ringue – Artista ou Lutador?

Amigos do TB.

Faz um bom tempo que não escrevo esta coluna, mas os ultimos acontecimentos me inspiraram e, tambem o fato de minha despedida dos ringues, me obrigam a dar a vocês uma satisfação e tambem meus agradecimentos.

Quero em primeiro lugar colocar meus agradecimentos a muitas pessoas que nos ultimos anos me deram extremas alegrias.

Primeiro agradeço a DEUS por me manter com saude e espirito jovem, pra encarar muitos obstáculos e ainda ter a honra e o imenso prazer de ter sido, talvez, o unico lutador ou artista do ringue a fazer sua despedida ainda com vigor, em cima de um ringue e com um publico na Virada Cultural muito igual ao que vi quando iniciei minha carreira.

Segundo a meu filho Marcos Martins, que foi quem me fez retonar ao mundo da Luta Livra Nacional quando me mostrou há uns 4 anos atrás sua coluna falando de LLN no PLL, onde me mostrou um luta do SONICO na BWF e que me fez voltar a antiga paixão por este mundo fantástico da LL.

Agradecer a meu filho Rodrigo, que foi um dos motivos que me fizeram me interessar novamente em fazer uma luta com os queridos amigos da BWF, pois ele só tinha ouvido falar em minhas conversas do que eu tinha sido como profissional, mas nunca tinha visto e isto me incentivou a batalhar pra de alguma forma mostrar a ele o que eu fui como profissional, pois não tinha nenhum material, video, daquela gloriosa época.

Agradecer a TODOS amigos da BWF e as pessoas maravilhosa de D. Cintia e de Bob Junior, que desde o primeiro dia que nos encontramos acreditaram em meu “sonho” e me ajudaram a realizá-lo, me tratando com um carinho que não vi em muitos anos de Luta Livre.

A TODOS os amigos, que espero ter feito, da BWF e me perdoem, em especial ao Igor Lopes, por tudo o que ele fez e com o carinho e respeito que fez e ele sabe que sou grato por isto, ao Beto (Anjo Loiro) tambem pelo carinho e consideração, ao Edgar por toda a ajuda que me deu e sabe do que estou falando, ao Mano John e Bia, pelo carinho e respeito desde o primeiro dia, ao grande Xandão, ao Nino Mercury que acreditou em meu trabalho e a quem tenho um profundo respeito e admiração.

Agradeço tambem pelo carinho a todos novos amigos que tive a honra de fazer, seja ao vivo ou internet, ao longo destes ultimos 4 anos, assim como agradeço aos amigos antigos que pude rever todas as vezes que fui a São Paulo e principalmente ao amigo de SEMPRE Mister Argentina.

A TODOS meus agradecimentos sinceros e de coração aberto digo..”Voces me fizeram novamente muito feliz”.

Primeiro quero agradecer publicamente a 3 pessoas que fizeram parte desta minha vida de profissional e que até posso ter errado, de alguma forma com algum deles, mas pedi perdão e hoje agradeço profundamente pela alegria que me deram em postar um video de um trabalho meu pelo GDR…..Jorginho amigo, muito obrigado por teu carinho e respeito, este mesmo que tenho por você a muitos anos. D.Aida Serdan, muito obrigado por seu carinho enquanto estive com vocês naquela época, por seu cuidado e dedicação ao meu personagem (idéia sua né? hehehe) e Michel Serdan, meus mais profundos agradecimentos pelo homem que você é, pelo profissional que você sempre foi e por todas as oportunidades que me deu naqueles bons tempos, saiba que sempre vou admirar vocês 3 por tudo o que já fizeram e ainda fazem pela LLN, mesmo não concordando as vezes pela forma que é feito, mas respeito. Carinho e reconhecimento vocês SEMPRE terão de mim.

Agora para fazer jus ao titulo desta coluna quero deixar BEM claro o que sempre defendi no TB, sobre ser um Artista do Ringue ou um Lutador.

Quando eu iniciei nas artes marciais, fiz judô e vale tudo (hoje MMA), depois fui convidado pelo saudoso Carlos Dornelles, filho do empresario do Ringue Doze na época, a fazer parte da luta livre no programa e então dei inicio em 1966 minha carreira na LLN procurando ser um artista que faz um show com o que sabe de artes marciais e mais coisas que só a LL realiza, como tesoura voadora, draps e etc. Apartir daquele momento pude ver que no Vale Tudo que eu fazia eu era um lutador e na especialidade de LL como era o programa, eu teria de ser um artista em cima do ringue e este é o motivo que eu digo que ser lutador é um profissional de MMA, boxe e outras artes marciais, mas lutador de digamos, telecatch, é um artista.

E foi sendo um artista do ringue é que eu me despedi deste espetáculo, mas NUNCA deste mundo da LLN, pois de alguma forma sempre estarei presente.

Peço que vejam os videos abaixo e depois tirem suas conclusões do porque eu SEMPRE falo que NUNCA me considerei um lutador mas sim um ARTISTA do RINGUE, e porque sempre critico ou elogio um personagem e NUNCA o homem que cria este personagem….”Isto é Luta Livre”

“Video extraído do Youtube, de propriedade e responsabilidade de seus idealizadores”

“Video extraído do Youtube, de propriedade e responsabilidade de seus idealizadores”

16 Respostas para Dentro do Ringue – Artista ou Lutador?

  1. Marcos Martins disse:

    Lembramos desde já, que os comentários realizados pelo narrador, o falecido Carlos Valadares, e os demais sobre a sexualidade do personagem “Gaúcho Delicado Stiner” refletem a visão da década de 80, onde na época nem ao menos se ouvia falar em homofobia, comentários que não seriam aceitos em nossa sociedade atual. Obviamente não concordamos com o teor dos comentários, mas lembramos que por se tratar de uma obra da década de 80, está somente sendo reproduzida aqui como relato da carreira do profissional de Luta Livre.

  2. Klaus Cobra disse:

    Saudações, Stiner, e parabéns pelo ótimo trabalho! O personagem era realmente muito bom e dei boas risadas com algumas situações criadas nas duas lutas. É a boa interpretação que cria a magia, que faz o espectador entrar na história e dá vida ao personagem e você conseguiu isso.

    Uma das diferenças do nosso telecatch para o americano é que aqui não havia as promos, ou seja, o lutador trabalhando a história num quadro a parte. Aqui no Brasil tudo era feito no momento da luta, a caracterização do personagem, a importância e intensidade do confronto, o ambiente (o juiz vai ajudar ou atrapalhar?) etc. Tudo tinha que ser criado e vendido na mesma hora.

    Nos EUA a luta, muitas vezes, é feita para resolver a história, aqui, a história era a própria luta, porque o que acontecia no ringue era muito e muito bem teatralizado.

    E quanto ao personagem, acho que seria mais problemático fazer algo assim hoje em dia, nessa sociedade mais neurótica, implicante e estressada em que a gente vive. Qualquer palavra dita encontra alguém profundamente ofendido, indignado e oprimido. Não importa se é uma declaração em particular, um quadro humorístico ou uma obra artistica, tudo é censurado e reprimido da mesma maneira e assim nossa cultura vai morrendo. Estamos sem literatura, sem jornalismo, sem produção televisiva que preste, sem música e até mesmo sem o nosso telecatch, uma pena.

    E novamente meus parabéns, essa é a nossa verdadeira luta livre.

    • Cigano Stiner disse:

      Amigo Klaus
      Muito obrigado pelo que vc escreveu, saiba,assim como todos, que nesta epoca eu ja estava afastado dos ringues uns 4 anos e tive o convite do Michel Serdan como um desafio de mudar meu estilo, que sempre foi o que vc ve nos outros 2 videos, topei(não ensaiei) e esta contra o Alex foi a primeira e direto na TV, depois fiz muitas outras no interior de São Paulo e tem mais uma na TV com o Renato Dias.
      Espero que tenhas gostado e compreendido o porque sempre falei em ser um artista,pois ,acho, isto é ser artista.
      Grande abraço e fique com Deus

  3. Sid (swu) disse:

    Muito legal os videos uma ótima recordação da nossa luta livre!

  4. Marjorie Marie disse:

    Sogrão, olha eu aqui. Mesmo sendo totalmente leiga nesse mundo da luta livre, vim lhe parabenizar… Porque realmente, uma luta tão divertida e tão profissional, só poderia ser feita por um grande homem, que com certeza deixou sua marca por onde passou. Os vídeos são uma relíquia, a forma como os lutadores se respeitam dentro do ringue, tudo forma um grande espetáculo… Beijos e parabéns!

    • Cigano Stiner disse:

      Minha Norafinha
      Que alegria ler vc aqui, muito obrigado pelo carinho e pelas palavras,mesmo não entendendo deste mundo da luta livre ,vc me fez feliz com suas palavras.
      Bjão no teu coração deste sogro que te amo e pede a Deus para que nunca te afaste de nós.
      Fique com Deus

  5. Toko disse:

    Grande Stiner, nunca tinha visto uma luta do amigo nessa época, mas assistindo a esses vídeos, pude ver o quão bem você interpretava os seus personagens, se eu não te conhecesse diria que você era uma bixona completa rsrs, pude perceber ainda melhor o que você me comentou naquele dia.

    Ótima coluna com ótimos vídeos para relembrar o passado do grande Stiner.

    Um abraço!

    • Cigano Stiner disse:

      Amigo Toko
      Obrigado pelas palavras de carinho e respeito e muito mais por ter entendido o que falamos sobre a arte cênica na LL.
      Sem parecer que falo de ego, mas é exatamente isto que falei a vc e vc tem talento pra isto. Veja que meu estilo sempre foi o de basão furioso, que fazia meia luta como volante, fazendo o mesmo que o volante, e meia luta basão, pois eu tentava mostrar que se não conseguisse ganhar do cara na técnica então apelava pra sacanagem e violência mesmo, mas neste personagem que fiz foi um desafio para a criatividade e creio ter conseguido na época, pois Dona Aida lançou o desafio e aceitei, mudando radicalemnte meu estilo de luta fazendo um personagem o oposto de mim próprio.
      Fique com Deus

  6. El Gringo disse:

    Nunca tinha visto as suas lutas Stiner, curti muito a sua atuação e interpretação, tá certo que de onde você é fica fácil o personagem ha ha ha

    Brincadeiras a parte, foi show, a hora que aparece na primeira luta um senhor na plateia totalmente alterado xingando, diz tudo, o base fazendo seu papel com maestria.

    Curti muito inclusive o fechamento em cima do Alex, assim que der pretendo copiar essa malandragem na minha luta também.

    Se possível vocês poderiam fazer uma coluna colocando lutas antigas inclusive de outros lutadores para podermos assistir e apreciar.

    Abraços a todos.

    • Cigano Stiner disse:

      Amigo Gringo
      Primeiro foi um prazer imenso ter conhecido vc pessoalmente na Virada Cultural, vc realmente é uma pessoa especial e mostra ser alem de profissional um grande amigo.
      Ainda bem que vc é um grande profissional e soube separar as coisa…eu pessoa do personagem criado, coisa que alguns babacas deste meio não entenderam, obrigado por suas palavras, como falei no comentario ao Toko, meu estilo era outro e isto foi apenas um desafio de criar um personagem que meu amigo Dartanhan já tinha tentado no GDR e o Black Star faz até hoje.
      Grande abraço e fique com Deus

  7. Flávio Pacheco disse:

    Gostei…putz, um personagem gay e cômico, se é desrespeitoso com os Gays não sei, o que sei é que o Stiner foi muito melhor ator do que esses que interpretam gays nas novelas da Rede Globo!!! Parabéns mesmo, já havia elogiado quando soube deste personagem, pois foi muita coragem para a época, mas foi tão bem feito!!!

    • Cigano Stiner disse:

      Amigo Flávio
      Pô são palavras como as suas que me dão a certeza que valeu a pena ter aceitado este desafio, na época, e realmente minha intenção NUNCA foi ser desrespeitoso com quem quer que seja, apenas tentei fazer, no meio da LL, um personagem diferente e que agradasse a muitos, tanto que me valeu um comentário do Leão Lobo sobre o personagem e um telefonema dele, mas valeu sim mostrar que o “lutador” deste tipo de esporte é SIM um artista antes de ser um lutador, vc não acha?
      Obrigado por seu carinho e fique com Deus

  8. O Raposa disse:

    Olha, nunca comentária aqui nesse blog por motivos óbvios, mas vou abrir uma exceção só dessa vez.

    PUTA ATOR que o Stiner é, sério mesmo, antes respeitava ele por suas opiniões críticas sempre precisas, mas enquanto a lutador eu era indiferente ja que nunca vi uma luta dele desse tempo, mas agora sou admirador no ringue.

    Porra, fazia tempo que não ria nesse tipo de show, a ultima vez que ri foi com o primeiro programa Telecatch que tinha o Marquinho das pegadinhas lá sacaneando o Mario Boy.

    Excelente interpretação, tanto do personagem fresco que tinha uma expressão corporal muito bem feita, como a base de luta em vender golpes e tal, você nota que o cara é bom quando só com gestos corporais como querer outro full nelson, ele vende a piada sem precisar de um narrador pra explicar pra multidão ao vivo.

    E pelo que notei, o público achava muito legal, ser um base que diverte as pessoas não é pra qualquer um.

    Agora falando diretamente pro Stiner, ja sabia que seu personagem era assim, me falaram que teve até que jantar com Leão Lobo e fingir ser gay de verdade pra evitar processo, o que mostra que deve ter feito bastante sucesso nessa época, só com suas malandragem e interpretação nessas duas lutas consigo imaginar centenas de historias na luta livre com você, que só enriqueceria ainda mais o show.

    Em minha opinião falta mais personagens assim, cômicos porem não forçados, muita gente diria que era escrachado, só que foi feito com tamanha maestria que se tornou divertido e livre de ser encaixado como humor pastelão (poderia citar inumeros personagens cômicos da luta livre que envelheceram e hoje em dia são rídiculos se usados atualmente) mas o Stiner consegue ser bem atemporal.

    Agora queria ver como era seu personagem de Cigano, é uma pena que não tenha nenhum registro dele, mas em minha opinião isso é um registro artistico a se orgulhar, não sei se fez aula de teatro ou é um talento natural pra ser tão expressivo nessa atitude física.

    Pra encerrar, po, quem era sua secretária? Foi você que arrumou ela ou foi o Michel? Não sei como era nessa época, mas acho que era dificil conhecer umas mulheres assim na rua, vocês lutadores tinham uma sorte…heehe!

    Abraço!

    • Marcos Martins disse:

      Também não faço questão, e você sabe disso, mas também abri uma exceção só dessa vez, devido ao conteúdo do seu comentário ser destinado ao Stiner.

    • Cigano Stiner disse:

      Amigo Raposa
      Espero que estejas lendo isto.
      Cara fiquei muito contente em ler teu comentário aqui, verdade, pois isto quer dizer que vc aceitou minha amizade mesmo com os contratempos que existem…hehehe
      Amigo são comentarios como este seu que me fazem ficar orgulhoso de ter feito o personagem que fiz, valeu aceitar o desafio.
      Só tenho a agradecer a vc pelas palavras e pelo carinho demonstrado tanto a mim pessoalmente quanto ao meu personagem, e quanto a vc ver uma luta do Cigano Stiner normal, o que posso te dizer é que tem 2 videos antes, “Guerra das Tribos e Minha despedida” que vc pode ter uma ideia do real personagem que eu fazia e se um dia eu conseguir alguma coisa da época, com certeza vou postar e aviso vc.
      Mais uma vez muito obrigado pelas palavras elogiosas, levantou meu ego, e pelo carinho que vc me recebeu ai na Virada Cultural.
      Fique com Deus e um dia, quem sabe, tudo volte ao normal e eu possa ver mais comentarios seus e vou continuar tendo o prazer em comentar em sua coluna, sempre que falar de LLN.
      Um detalhe…a moça que aparece comigo, foi uma grande amiga, amiga mesmo, tinha e ainda tenho por ela profundo respeito e carinho, e ela foi esposa do Bob Junior, portanto cuidado com o que fala…hahahahha

  9. João Neri Satter Mello disse:

    É isso grande CIGANO STINER, e delicado, mas delicado somente como cena cênica, pois de homofóbico não tem nada, como te conheci e te conheço, sempre foste um grande homem, ou um grande macho, no verdadeiro sentido da palavra, e que belas imagens das tuas lutas anteriores, que podem demonstrar um pouco da nossa luta cênica, que participamos. Parabéns. Scaramouche (um ex, lutador cênico com 69 anos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.